domingo, agosto 28

Batom vermelho.

Não custa nada sonhar. Não paguei nem pelo meu cérebro, nem pela minha maneira de pensar e nem pela minha imaginação. Sou destes, sim. Que sorri para o espelho, que sonha acordado, que finge não ser só para poder ser o que se é. E quando perguntado quem sou eu, digo apenas que basta me dar as mãos e dançar comigo para descobrir, pequena. Podemos dançar ao som da tempestade, ao som das molas do colchão ou ao som do vento, este que adoro. Vento este que trás pra mim sua voz, longe milhares de milhas.
Como gostaria de ver você usando aquele batom vermelho que tanto gosto. Uma pena você dizer que não combina com seu rosto, com sua boca. Que não combina com seu cheiro ou com seu gosto. Vermelhas ficam suas bochechas, quando em uma simples conversa nós simplesmente extrapolamos, conseguindo enxergar além do horizonte. Porque não houve, nunca, sob nenhuma circunstância, horizonte para nós. Logo ali, além, encontraremos nossa recompensa, um pote de ouro, chocolate e umas cervejas. Beberemos e veremos o sol se pôr.
Como eu desejo pegar minha mochila, aquele ônibus que vai pra longe, pra perto de você, dormir, acordar, ver o sol se pôr e raiar, só para te buscar em casa. Você com aquela blusa larga, caindo ombro abaixo, calça jeans apertadinha e um all star. Eu com aquela minha bota velha, um bermudão e uma blusa social - rosa, porque eu sei que você sempre gosta. Com cortejo, te levarei para tirar a sorte em um realejo qualquer, andaremos pela noite iluminadas com as luzes de aço da sua cidade. Como é mesmo aquele barzinho que você vai me levar? Poderemos olhar nos olhos de almas feridas e ver reflexos de uma felicidade perdida em algum lugar dentro de cada corpo de cada planeta individual e particular.
Esta música dançaremos, desajeitados. E quando tocar, sinceramente, mostrarei o meu pé de valsa, como sempre faço em meus pensamentos quando lembro-me de você ao ouvir essa canção. "Swing, swing, swing the spinning step. You wear those shoes and i will wear that dress". Somos somente isto. Assim, pedaços de dois inteiros distintos que por conta de obra milagrosa do destino conseguem se encaixar, assim como a palma de sua mão encaixa em meu ombro, assim como nossos passos entram em compasso, mesmo que não seja o mesmo compasso da música. Quero ver o seu sorriso misterioso de perto. Desvendar os segredos e dizer que eu acertei em cada opinião que tive, no duro. Depois disso eu entregarei-me à noite, às bebidas, só desejando acordar em qualquer quarto no dia seguinte, vendo um breve sorriso naqueles lábios em que não haverá batom vermelho, porque não combina, mas que me conquistou mesmo assim.
Nada é em vão. Toda regra tem exceção. Se somos a falta de regra, a falta de fartura e a falta de opção, se não somos quem queríamos, se não temos nada que não seja o outro, que não seja este vazio, então vamos nos preencher. Vamos bater no portão do outro, na porta do coração. Não custa nada dançar. Em sonho, em pensamento, em imaginação. Mas só enquanto a realidade descansa, como nossos corpos descansam agora.



Dedicado à liberdade e ao perfume de Mônica Aguiar.

Pense o que você quiser. (Y)

5 comentários:

Anônimo disse...

Adoreiii!

Anônimo disse...

Simplesmente, foda!

Victor Cupertino disse...

O anônimo podia ter deixado o nome, né ¬¬

Lola Calisma disse...

(Lorena/Lola) Nossa Dongo adorei,adorei,adorei tá demais !!!
Parabéns amigo
beijos se cuida

Anônimo disse...

MEL MARTINEZ is giving away what he got and it does not look good for EF- QUEEN- REMY- GUY.
MSRTIN ROPER- RON HEVENER-
NAILED BY THE QUEEN.


Blogger Layouts by Isnaini Dot Com. Powered by Blogger and Supported by ArchiThings.Com - House for sale